Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Oh captain! My captain!

" But only in their dreams can men be truly free. 'Twas always thus, and always thus will be."

Oh captain! My captain!

" But only in their dreams can men be truly free. 'Twas always thus, and always thus will be."

Ter | 06.12.16

Captain à vista?

Eu até tenho vergonha de voltar a aparecer por estas bandas, de me sentar em frente a este painel branco e pressionar as teclas do teclado ... e dar notícias minhas! É verdade, meus queridos amigos, estive ausente e, felizmente, não foi por nenhum motivo menos bom, pelo contrário! Acontece que este ano comecei o meu estágio curricular e estes meses de ausência foram, na verdade, meses de adaptação a uma nova realidade, a um desafio enorme que, apesar de me estar a dar muito gozo, também me está a consumir muito tempo. E é sobre isto que vou mesmo começar por falar neste post.

O estágio era aquela etapa do curso que eu, assim como muitos dos meus amigos da faculdade, ambicionávamos, ansiávamos. É aquele momento em que, finalmente, metemos as mãos na massa, passamos da teoria dos livros para a beleza (e surpresa) da prática e, no fundo, percebemos se estes anos de estudo dão alguns frutos e se gostamos mesmo disto ou não. No meu caso, estou a gostar muito do meu estágio, o que não significa que este seja perfeito, que não é. Mas tem sido um desafio que me tem feito crescer muito, pois obriga-me, constantemente, a sair da minha zona de conforto, a testar as minhas capacidades, a desafiar-me e provar a mim mesma que consigo superar-me. Tenho conhecido muitas pessoas fantásticas, tenho-me cruzado com realidades muito diferentes da minha, mas que me deixam sempre a refletir. Sinto que estou a crescer e que, nestes últimos tempos, tenho levado uma "chapada" de humildade. Digo isto porque andei uns tempos na minha vida em que me sentia invencível. Não que me sentisse melhor que os outros ou capaz de tudo, mas sentia que nada me podia realmente destabilizar e que havia em mim força e determinação. E embora fosse bom sentir toda essa força, por outro lado, às vezes fazia-me ser mais distante e fria face aos problemas dos outros. Facilmente opinava, achava que se fosse comigo a história seria outra e que não faria assim, faria assado. No entanto, tenho vindo a ser colocada no meu lugar, digamos assim. Porque tenho aprendido que, de facto, a vida nos troca muito as voltas e que se hoje temos o mundo a nossos pés, amanhã podemos ser nós debaixo dele. As coisas frequentemente mudam, trocam de sentidos e confundem-nos. Achar que somos invencíveis, que podemos passar por tudo, fazendo fintas, dando saltos, ultrapassando barreiras é viver enganado. Não estou a ser pessimista, pelo contrário, acredito que em todos nós há força capaz de nos fazer transformar, crescer e que todos os dissabores são oportunidades únicas de desenvolvimento, se assim o quisermos. O que eu acho é que não se pode viver numa bolha, como eu sentia que estava a viver, em que tudo nos parece colorido, que para tudo há uma opinião e achar que as coisas nunca nos vão "calhar" a nós. Às vezes somos nós que estamos na berlinda, que descobrimos medos, que temos de viver as tempestades. Isto pode parecer assustador, mas também é incrível e pode ser uma jornada de auto-conhecimento fantástica.

É isto que eu tenho vivido. Ando a descobrir-me, a conhecer-me melhor; a perceber que podemos temer coisas, podemos ter receios e podemos, ainda mais, partilha-los, senti-los, porque não faz de nós fracos, frágeis ou vulneráveis. Faz-nos humanos. Dou por mim interessada em técnicas de meditação, a descobrir o bom de viver no aqui e agora, pondo os pensamentos de ontem e amanhã em standby. Tem sido bom, mas é um exercício quotidiano, este de nos conhecermos, de entendermos o que nos faz felizes, o que nos entristece, o que nos é indiferente e não faz falta.

O estágio tem sido uma boa oportunidade para trilhar este caminho, porque constantemente sou confrontada com novos universos, tão diferentes do meu, que me deixam surpreendida em compreender como, perante o mesmo acontecimento, reagimos, cada um de nós, de forma tão diferente e única. Um estímulo, mil reações, mil respostas.

Nunca abandonei realmente este cantinho. Nem o poderia fazer. Aqui sinto-me em casa. Na escrita encontro o meu sentido, a minha liberdade e a minha forma de expressão. Aquilo que nem sempre digo, escrevo sempre. Deposito nas palavras as emoções, os pensamentos, as memórias, os sonhos, tudo. Este cantinho é como um diário pessoal com vários departamentos, onde vou escrevendo ao sabor do que sinto e do que necessito. É verdade que me ausentei, mas a vida fora deste painel chamou-me e tive de me apresentar ao serviço. Mas cá estou, novamente, pronta para me dedicar a este blog (agora com um ar fresco) e a todos vocês, meus queridos companheiros de viagem, que apesar de já me acharem perdida em combate, sei que continuam desse lado, muitos de vocês com os vossos cantinhos também, dos quais tenho saudades.

Ah! Como é bom estar de volta! :)

4 comentários

  • Imagem de perfil

    captain 07.12.2016 21:23

    Estava agora a ler o teu comentário e fui ao teu blog ver se tinha algo novo, quando me deparei com uma citação fantástica que lá tens: "The secret to happiness is freedom. And the secret to freedom is courage." (Thucydides). É que é mesmo isto! Esta coragem, liberdade e felicidade que tanto ambicionamos e que até são "exercícios" simples e fáceis, mas que tendemos a complicar com os nossos "ses", o nosso comodismo, a nossa zona de conforto! Mas é mesmo essa a aventura desta vida. Já dizia Yalom, parafraseando Buda, que "a questão do significado da vida não é edificante. Devemos mergulhar no rio da vida e deixar que a questão seja carregada pela corrente". A vida vai-se fazendo e, sem mudança, estamos estagnados, à margem do rio, vendo a vida correr :)


  • Imagem de perfil

    Torcato 08.12.2016 02:24

    Disseste tudo, captain! É isso mesmo, sem tirar nem pôr :)
    A pergunta que deixo: porque é que então está tanta gente estagnada e infeliz com o caminho que vai seguindo, mas mesmo assim continua a deixar-se ir?
    É que cada vez mais me apercebo dessa triste realidade...


    Bom feriado!
  • Imagem de perfil

    captain 11.12.2016 18:45

    Eu acho que é porque às vezes o conforto de estar à margem e ver as coisas passar é mais seguro e certo do que seguir a sua própria corrente e criar as suas próprias ondas. É a velha questão de viver à superfície, sem grande intensidade, porque ok, não se é feliz a 100%, mas também não se conhece o abismo do verdadeiro sofrimento. E infelizmente muita gente vive neste limbo, nesta corda bamba que, mais cedo ou mais tarde, abana e causa os seus estragos como o desespero da vida não vivida, por exemplo. Falar é fácil, todos sabemos isso, todos sabemos que difícil é fazer, saltar para o desconhecido, mas temos de tentar, não é? :) Pode até correr mal, mas temos sempre aquele pontinho de luz de que tentamos pelo menos :)

    Beijinho e bom domingo!
  • Comentar:

    Notificações de respostas serão enviadas por e-mail.