Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Oh captain! My captain!

" But only in their dreams can men be truly free. 'Twas always thus, and always thus will be."

Oh captain! My captain!

" But only in their dreams can men be truly free. 'Twas always thus, and always thus will be."

Ter | 22.03.16

5. Livro mais longo que já leste

O livro mais longo que li foi, se não estou em erro, O Problema Espinosa do Yalom. E digo-vos que este livro foi uma surpresa muito feliz. Tinha vontade de o ler, mas andava a colocar outras prioridades literárias à frente, até que me ofereceram e decidi mandar-me a ele.

Demorei cerca de um mês a lê-lo, não apenas pelo seu tamanho, mas pela história em si. Uma história que se passa em dois séculos diferentes e que une dois homens muito diferentes: Bento Espinosa e Alfred Rosenberg. Se Espinosa foi um dos filósofos judeus mais influentes da história, tendo ilumina-lo muitos filósofos posteriores, Rosenberg foi um verme histórico, um dos braços direitos de Hitler na conspiração do plano contra os judeus. A maneira como Yalom construiu a história destas duas personagens e as interligou no tempo é simplesmente deliciosa e obra de génio. Imagino o trabalho de pesquisa exaustivo que o escritor teve de fazer para conseguir produzir esta história, que está recheada de memórias e factos históricos. É uma viagem no tempo às origens da Segunda Guerra Mundial, que nos descreve com muita clareza a perseguição contínua na história que foi feita ao povo judaico. Aprende-se imensas coisas sobre a cultura judaica, que me fascinaram. Também se compreende as ideias de Espinosa e os motivos pelos quais foi expulso da comunidade judaíca. Era, de facto, um homem especial e um visionário, que estava muito à frente das pessoas do seu tempo. Por isso, não só é uma obra de ficção, como acaba por ser também bastante didáctica, ilustrando-nos duas épocas distintas, mas que retratam como a história é cíclica, como o passado e o futuro se unem e como os erros se repetem. As 387 páginas não assustam. Pelo contrário, nasce o desejo que se multipliquem dada a delícia que é este livro.

Ah, e uma curiosidade: Bento Espinosa nasceu na Holanda, mas no seio de uma família portuguesa, pelo que também se considerava português. É considerado um dos maiores filósofos portugueses de sempre - vá, leiam o livro por orgulho à pátria! :)

 

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.